A Odontologia Integrativa como mediadora do estresse do(a) Cirurgião(ã)-Dentista e sua Equipe

A Odontologia Integrativa trabalha sob a perspectiva do novo paradigma da ciência, o pensamento sistêmico. Considera o contexto em que o indivíduo está inserido utilizando as Práticas Integrativas e Complementares à Saúde (PICS).

A Acupuntura, a Hipnose, a Homeopatia, a Fitoterapia, a Terapia Floral, a Laserterapia, a Ozonioterapia e a Odontologia Antroposófica, regulamentadas pelo Conselho Federal de Odontologia, fazem parte do arsenal da Odontologia Integrativa, para serem prescritas aos pacientes, e principalmente para o cuidado da equipe profissional, cujo equilíbrio emocional e mental são fundamentais no cuidado do(a) paciente.

A abordagem sistêmica que caracteriza as PICS, distinta da convencional, requer do(a) profissional nova percepção das relações do ser humano com ele mesmo e com o ambiente em que vive e trabalha.

As PICS têm a característica de abordar o paciente de forma sistêmica, considerando a história de vida atual, hábitos, relações, trabalho e as repercussões do estresse na saúde bucal.

A atividade odontológica, nas últimas décadas, passou por alguns abalos estruturais, cujo agravamento se deu com o isolamento social imposto pela pandemia da COVID-19, além das novas tecnologias. Vejamos: a queda da receita; a redução do número de pacientes na clínica privada, em razão da queda do poder aquisitivo da população; a maior oferta de profissionais no mercado; a ineficiência do serviço público em oferecer condições dignas de trabalho; e o aumento dos custos com insumos e equipamentos.

Outrossim, muitos profissionais são levados a aceitar certas propostas de convênios e planos de saúde, que os leva a se sentirem obrigados à produção, além do limite saudável, para alcançarem um salário, que muitas vezes é suficiente apenas para a sobrevivência, não justificando todo o esforço e investimento em sua formação profissional.

Todos esses desafios que atormentam o(a) profissional, especialmente o(a) autônomo(a), que lida com renda variável, contribuem para o desgaste emocional proveniente, em sua maior parte, das incertezas com os quais convive diariamente.

E, com tudo isso, a qualidade de vida dos profissionais, que trabalham tanto em instituições públicas ou privadas, deixa muito a desejar.

É corriqueiro observar que os CDs, com mais de 20 anos de atividade profissional, desenvolvem queixas relacionadas ao estresse físico e emocional, como: distúrbios de coluna, dores na coluna cervical, enxaquecas constantes, hipertensão arterial, depressão, fibromialgia, distúrbios da atividade sexual, infartos, distúrbios respiratórios, envelhecimento precoce e infecções diversas causadas pela formação de aerossóis, durante os procedimentos cirúrgicos, haja vista, atualmente, o alto risco de contaminação e disseminação do novo coronavírus.

O sedentarismo também é um outro fator que contribui para o quadro de estresse do(a) CD e equipe. A postura corporal para atingir um bom ângulo de visão e acesso ao local de atuação leva o(a) CD a passar horas em posições assimétricas e não funcionais, que acarretam a descompensação das cadeias musculoesqueléticas. A atividade física regular, que seria benéfica para reequilibrar a postura, nem sempre é cumprida, uma vez que a exaustão ao fim do expediente muitas vezes o(a) desestimula.

As PICS associadas à prática odontológica contribuem de formas diversas para a redução do estresse, como por exemplo:

  • melhoram a qualidade de vida dos pacientes e do profissional;
  • somam recursos eficientes à assistência odontológica, pois são de fácil aplicação, têm baixo custo e são indicadas para todas as faixas etárias e níveis sociais;
  • auxiliam no tratamento de pacientes fóbicos e ansiosos;
  • melhoram a relação interdisciplinar, estendendo os campos de trabalho, estudo e pesquisa a todos os campos da Odontologia;
  • contribuem para que o paciente se torne mais receptivo ao tratamento odontológico, humanizando a relação entre profissional e paciente;
  • melhoram os resultados dos tratamentos clínicos e cirúrgicos; e
  • contribuem para ampliação da percepção do(a) cirurgião(ã)-dentista, quanto à sua saúde integral e do paciente.
  • A Odontologia Integrativa inova e proporciona à equipe odontológica ferramentas valiosas na prevenção e combate ao estresse, comumente responsável pelas repetições de procedimentos e que podem vir a fragilizar a relação entre o profissional e paciente.

    E, em tempos de pandemia e pós-pandemia temos certeza que o(a) profissional integrativo(a) fará muita diferença no atendimento odontológico, no sentido de proporcionar a si mesmo e a sua equipe, uma elevação na qualidade de vida, bem como, oferecer aos pacientes uma Odontologia mais humana e eficiente.

    Autoria

    SUSY CRISTINA ROSA SIMÕES, CRO-DF-3329
    Cirurgiã-Dentista
    Especialista em Endodontia
    Habilitada em Terapia Floral
    Conselheira Suplente e Presidente da Câmara Técnica de Odontologia Integrativa do CRO-DF

    Bibliografia

    - CAPRA, Fritjof - A Visão Sistêmica da Vida: uma concepção unificada e suas implicações filosóficas, políticas, sociais e econômicas - São Paulo - Cultrix 2014;

    - GOSWAMI, Amit - O Médico Quântico: orientações de um físico para a saúde e a cura - São Paulo - Cultrix - 2006;

    - LIMA, A. D. F. & FARIAS, F.L.R, 2005 - O trabalho do cirurgião-dentista e o estresse: considerações teóricas - Revista Brasileira em Promoção de Saúde 18(1), 50-54;

    - LIPTON, Bruce H, A - Biologia da Crença: ciência e espiritualidade na mesma sintonia - 1ª ed. - São Paulo: Butterfly Editora - 2007;

    - VASCONCELLOS, Maria José Esteves - Pensamento Sistêmico - o novo paradigma da ciência - 7ª. ed. - São Paulo - Papirus 2002.