CRO-DF defende vacinação de estudantes de Odontologia a partir do 6º semestre 

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

O Conselho Regional de Odontologia do Distrito Federal (CRO-DF) defende, junto às autoridades competentes, a vacinação dos estudantes de Odontologia.  


A medida poderá ser aplicada aos acadêmicos do curso a partir do 6º semestre.  O Plano Nacional de Imunização contra a covid-19 (PNI), do Ministério da Saúde, inclui na vacinação do grupo prioritário também os acadêmicos em saúde e estudantes da área técnica em saúde em estágio Hospitalar, Atenção Básica e Clínicas. 


A orientação, inclusive, foi reforçada pelo Ministério da Saúde às coordenações estaduais de imunização em março. 

Ação do CRO-DF 

O presidente do CRO-DF, Marco Antônio dos Santos, destaca que, a partir do momento que o governo federal anunciou que os estudantes de odontologia poderiam ser vacinados, foi encaminhado ofício para a Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) solicitando a inclusão deles no grupo prioritário.

 
“Os estudantes de Odontologia realizam estágio, em entidades públicas ou hospitais militares, prestando serviço essencial. Além de levar saúde bucal e dignidade em regiões carentes do DF, é também um importante aliado no combate à pandemia, à medida que contribui para o desafogamento dos serviços públicos nas unidades de saúde”, defendeu.  


Marco Antônio dos Santos ressalta que a Odontologia está entre as profissões mais insalubres e perigosas quando se analisa a chance de contaminação pela Covid-19.

 
“O vírus se propaga, principalmente, através de gotículas de saliva, além das características próprias do processo de trabalho e dos instrumentos manejados pelos profissionais e estudantes da área”, lembrou. 

Foto: Presidente do CRO-DF, Marco Antônio dos Santos/ Créditos: Assessoria de Imprensa

Risco de contaminação 

O risco de contaminação se dá porque não existe a possibilidade de distanciamento social durante o atendimento odontológico. Também não é possível o uso de máscara pelo paciente, o que explica o maior risco de contaminação dos cirurgiões-dentistas e acadêmicos, entre todos os profissionais de saúde, independente do uso adequado dos equipamentos de proteção individual (EPIs). 


Além disso, os diversos procedimentos odontológicos produzem aerossóis e gotículas (alta rotação, seringa tríplice, ultrassom, entre outros) que podem estar contaminadas com vírus.

 
“A vacinação dos futuros dentistas se faz necessária para garantir um atendimento de excelência à população, para manter o ensino odontológico de qualidade em todo o Distrito Federal, especialmente, com a preservação da saúde dos envolvidos.” 

Foto: Vacinação/ Reprodução

CONTINUE LENDO

Agendamento de Atendimento Presencial.

Escolha o local do agendamento abaixo: