Cirurgião-Dentista: um auxiliar no diagnóstico precoce de Câncer de Cabeça e Pescoço

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

No dia 27 de julho é celebrado o Dia Mundial da Conscientização e Combate ao Câncer de Cabeça e Pescoço. A data surge com a intenção de chamar a atenção da população para uma maior conscientização sobre os cuidados necessários para evitar a manifestação ou evolução de tumores em órgãos localizados na região da cabeça e pescoço. São considerados câncer de cabeça e pescoço aqueles que atingem a boca, as cavidades nasais, gengivas, bochechas, amígdalas, faringe, laringe e os seios da face (ou paranasais), e/ou região do pescoço. Apesar de o tratamento ser feito por cirurgiões de cabeça e pescoço, o cirurgião-dentista é um dos profissionais mais habilitados a realizar o diagnóstico precoce, pois é quem mais convive com a cavidade oral. Entretanto, o Prof. Dr. Eliziário César Leitão, observa que infelizmente a maioria dos profissionais da odontologia não está suficientemente preparado para fazer o diagnóstico precoce das lesões com potencial cancerígeno. De acordo com o Dr. Eliziário, esses sintomas se identificam precocemente num grupo de lesões que se chama lesões potencialmente malignas na cavidade oral. “Há duas lesões que se destacam: a leucoplasia que é uma placa branca, de diagnóstico clínico e a outra eritroplasia, que é uma mancha vermelha. As duas se situam em várias áreas da cavidade oral. A mancha vermelha inclusive é mais grave porque já é um carcinoma in situ, entretanto, o mesmo não saiu do tecido epitelial, sem invasão ao tecido conjuntivo, mas ele já é um câncer. Existem outros tipos de lesões, mas essas são as principais, então nós (cirurgiões-dentistas) precisamos identificar lesões potencialmente malignas, que é um estágio que quando potencializado, pode se transformar ou não no câncer de boca”. A Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP) afirma a importância de ações para conscientização a respeito da detecção precoce desse tipo de câncer, que pode alcançar até 90% de cura se tratado precocemente.
O estágio mais tardio é fácil identificar por parte do cirurgião-dentista, porque normalmente ele se apresenta como uma úlcera atípica, disforme. Toda úlcera na boca que não cicatriza, em no máximo até 21 dias, é necessário atenção redobrada, sobretudo no paciente fumante. Ao contrário da afta, por exemplo, que dói muito, a úlcera do câncer bucal não dói. São também sintomas de câncer de cabeça e pescoço (SBCCP, 2022)[1]:
• Aparecimento de nódulo no pescoço
• Manchas brancas ou avermelhadas na boca
• Ferida que não cicatriza em duas semanas
• Dor de garganta que não melhora em 15 dias
• Dificuldade ou dor para engolir
• Alterações na voz ou rouquidão por mais de 15 dias
Esses sinais podem ser causados por outras condições clínicas, portanto é importante conversar com um profissional de saúde. Conforme dados divulgados pelo National Cancer Institute (2017)[2], o consumo de álcool e tabaco são os dois fatores de risco importantes para o câncer de cabeça e pescoço. Pelo menos 75% dos cânceres de cabeça e pescoço são causados pelo uso destas substâncias associadas. O professor Eliziário destaca que a prevenção será sempre o melhor caminho e destaca os principais pontos: “Realizar sempre o autoexame da cavidade oral, periodicamente. Da mesma forma que existe o autoexame para o câncer de mama, deveríamos todos nós fazer o autoexame da cavidade oral. Olhar a boca pelo menos uma vez a cada 10 dias, de frente para o espelho. Há algumas manobras que são importantes, mas o autoexame é muito importante. Em segundo lugar, desmotivar as pessoas a fazerem o uso do tabaco. E o terceiro é passar pelo cirurgião-dentista sempre, principalmente os pacientes considerados de risco”.Após diagnosticado o câncer, e o tratamento realizado com o cirurgião de cabeça e pescoço, é necessário o acompanhamento com o cirurgião-dentista para lidar com os efeitos secundários do tratamento complementar ao câncer, seja quimioterapia ou radioterapia. Ambos podem causar lesões na boca que requerem o auxílio de laser, medicações e outras intervenções para melhor qualidade de vida do paciente durante o tratamento pós-cirúrgico aos pacientes portadores dessa enfermidade.

[1] Disponível em: https://sbccp.org.br/
[2] Disponível em: https://www.cancer.gov/types/head-and-neck/head-neck-fact-sheet

CONTINUE LENDO

BLOG

Assembleia Geral Extraordinária

O CRO-DF convoca os cirurgiões-dentistas, com inscrição principal, provisória ou remida, que estejam em pleno gozo dos direitos profissionais e quites com a tesouraria deste

Agendamento de Atendimento Presencial.

Escolha o local do agendamento abaixo: