Câncer de boca: cirurgiões-dentistas ajudam na prevenção e no diagnóstico precoce

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

No dia 4 de fevereiro, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Câncer. Criada pela União Internacional de Controle do Câncer (UICC), a data visa mobilizar pessoas e organizações mundiais para reforçarem a importância da adoção de hábitos saudáveis, de atitudes de prevenção, do diagnóstico precoce e do tratamento, fundamentais para o controle da doença.

Nessa data, um dos exemplos que merece atenção é o câncer de boca, de alta prevalência no Brasil e que, com algumas atitudes preventivas e com o autoexame, pode ser facilmente detectado e tratado. Em caso de diagnóstico precoce de tumores iniciais, a chance de cura é acima de 95%. Dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA)¹ revelam que o Brasil é o terceiro país com o maior número de ocorrências de câncer de boca (15 mil casos por ano) e maior incidência em homens acima dos 40 anos de idade.

Como apresenta características iniciais que podem ser parecidas com as de aftas, a Dra. Claudia Cristiane Baiseredo de Carvalho² (CRO-DF 9933) alerta sobre o papel da Odontologia na prevenção e no diagnóstico do câncer de boca. “O cirurgião-dentista ajuda no diagnóstico com uma boa inspeção clínica na cavidade oral e com uma análise anatômica, pois qualquer lugar é passível de alterações. Devemos sempre orientar os nossos pacientes”, disse.

Além disso, os especialistas mais indicados para o diagnóstico do câncer de boca e até de manifestações orais de doenças sistêmicas, são os estomatologistas. Eles são, por exemplo, os profissionais indicados para analisar e, se necessário, realizar biópsias das lesões da boca e dos ossos maxilares. Dessa forma, são grandes aliados no diagnóstico precoce do câncer de boca.

O tratamento é realizado pelo oncologista e cirurgião de cabeça e pescoço. Mas, a Dra. Claudia reforça o papel dos cirurgiões-dentistas. “Como a Odontologia é a responsável pela cavidade oral, normalmente somos os primeiros a encontrar essas lesões, realizando o diagnóstico de forma precoce e encaminhando para o médico. Já no tratamento oncológico, os cirurgiões-dentistas seguem acompanhando o caso e atuam na prevenção da mucosite. Lembrando que o acompanhamento periódico com cirurgiões-dentistas é essencial para a saúde bucal como um todo, e não apenas em casos de câncer”, finalizou.

Acesse aqui para maiores informações!

Claudia Cristiane Baiseredo de Carvalho é graduada pela UNIGRANRIO-RJ; mestre em Terapia Intensiva; possui especialização em Estomatologia e em Saúde Pública; e presidente da Câmara Técnica de Odontologia Hospitalar do CRO-DF desde 2012.

CONTINUE LENDO

BLOG

Mas afinal, o que é a Varíola dos Macacos?

A Comissão de Biossegurança do CRO-DF alerta sobre a Monkeypox Saiba mais Você sabia que as práticas odontológicas podem ajudar no controle e na redução

Agendamento de Atendimento Presencial.

Escolha o local do agendamento abaixo: