CRO-DF: Código de Ética profissional e exercício legal da Odontologia

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

Entenda as aplicações do Código de Ética Odontológica, bem como os direitos e deveres dos profissionais inscritos no CRO

O Conselho Regional de Odontologia do Distrito Federal (CRO-DF) está atento às constantes mudanças no exercício da Odontologia, bem como para as formas de divulgação dos serviços e procedimentos ofertados pelos profissionais da classe odontológica. É preciso saber divulgar o próprio negócio e, claro, seguir as regras do Código de Ética Odontológica. Seja nas redes sociais ou de forma impressa, divulgar os procedimentos e os consultórios exige alguns cuidados legislativos.

O Código de Ética Odontológica é o documento que regula os direitos e os deveres dos profissionais inscritos no CRO-DF, especialmente do cirurgião-dentista. Entre as diversas resoluções que ele preconiza, uma delas é voltada para a área de marketing na Odontologia. Isso acontece no capítulo 16, que aborda exclusivamente o que é permitido e o que não é admitido em anúncios, propagandas e publicidades odontológicas.

Para o presidente da Comissão de Ética do CRO-DF, Dr. Wagner Reis, é de suma importância que todos os profissionais da Odontologia busquem a instrução do Código de Ética. “A instrução acerca do Código de Ética deve ser progressiva e crescente. É dever de todos os profissionais da Odontologia estarem atentos às resoluções e às leis vigentes para o exercício ético e legal da profissão, para que a realidade, frente às novas técnicas e práticas odontológicas, continue sendo prestada à sociedade com excelência, responsabilidade profissional e preceitos éticos, garantindo o bem-estar físico, psicológico e social do paciente”, destaca Dr. Wagner Reis.

Código de Ética – Artigos

O art. 41 do Código de Ética discorre sobre os técnicos em prótese dentária, os técnicos em saúde bucal, os auxiliares de prótese dentária e os laboratórios de prótese dentária. A eles estão proibidos anúncios dirigidos ao público em geral. Contudo, a norma permite que esses profissionais, a exceção dos Auxiliares em Saúde Bucal e dos Técnicos em Saúde Bucal, façam anúncios  em jornais, revistas e folhetos especializados. Além disso, nos laboratórios de prótese dentária, deve haver um aviso, em local visível, sobre a restrição de se realizar o serviço diretamente ao paciente. Com relação aos cirurgiões-dentistas, o anúncio pode ser publicado em qualquer meio de comunicação, desde que siga os preceitos do Código de Ética (art. 42). De acordo com o art. 43, nos materiais de divulgação, é obrigatório constar: nome do profissional ou da empresa; número de inscrição da pessoa física ou jurídica; nome representativo da profissão de cirurgião-dentista e das demais profissões auxiliares regulamentadas; e, no caso de pessoas jurídicas, o nome e o número de inscrição do responsável técnico.

Alguns outros pontos são optativos e podem aparecer no material sem problemas, como, por exemplo: áreas de atuação (pertinentes às especialidades reconhecidas pelo Conselho Federal de Odontologia – CFO); procedimentos realizados (seguidos pela especialidade registrada no CFO); técnicas utilizadas (seguidas pela especialidade registrada no CFO); especialidades do cirurgião-dentista; títulos de formação acadêmica; dados gerais (endereço, telefone, e-mail, horário de trabalho, convênios e credenciamento, por exemplo); logotipo; e a expressão “clínico geral” para os profissionais que exerçam atividades pertinentes à Odontologia.

Segundo o art. 44, determinados atos são considerados infrações éticas, entre os quais se podem citar: fazer publicidade e propaganda enganosa e abusiva, que mostre preços, serviços gratuitos, modalidades de pagamento ou que implique a comercialização da Odontologia; anunciar ou divulgar títulos/qualificações/especialidades que não possuem registro no CFO; e anunciar ou divulgar técnicas, terapias de tratamento e áreas de atuação que ainda não foram comprovadas cientificamente.

O capítulo 18 do Código de Ética Odontológica estabelece possíveis as penas e suas aplicações para casos de infrações éticas, que vão desde advertência confidencial até suspensão ou cassação do exercício profissional. Alegar desconhecimento das informações do Código de Ética não exime o profissional inscrito de sofrer punições, o que torna primordial o conhecimento de cada linha do documento. Veja o Código de Ética Odontológica aqui.  

            Para garantir que todas as normas, resoluções e leis vigentes sejam cumpridas, o CRO-DF realiza periodicamente ações de fiscalização proativa e reativa, a fim de orientar os profissionais para a realização da prática da Odontologia, mediante a conduta legal e regular das funções. O presidente da Autarquia, Dr. Marco Antônio, reforça a importância do exercício ético e legal. “A atuação do Conselho não é apenas punitiva; a atividade educativa é o nosso fator central. Por isso, recomendamos que o profissional inscrito acompanhe os meios de comunicação oficial do Conselho e busque conhecimento das normas e regulações, pois assim caminharemos todos para o exercício ético de nossas funções”.

CONTINUE LENDO

BLOG

Mas afinal, o que é a Varíola dos Macacos?

A Comissão de Biossegurança do CRO-DF alerta sobre a Monkeypox Saiba mais Você sabia que as práticas odontológicas podem ajudar no controle e na redução

Agendamento de Atendimento Presencial.

Escolha o local do agendamento abaixo: